Por Karine Durães – Vilarejo Nutrição

Baby Lead Weaning ou BLW, que significa “bebê guiando o desmame” (ou bebê guiando a introdução alimentar, em uma tradução livre) é um método comportamental sobre a introdução alimentar. O método permite que o bebê dirija sua introdução alimentar, servindo-se dos alimentos por si só, conforme seu desenvolvimento físico e cognitivo permite. (leia mais no nosso primeiro texto).

Qual o primeiro alimento que se deve oferecer no BLW?

O BLW não é um método onde alguns alimentos são introduzidos em ordem específica ou em detrimento de outros. Por isso, não existe uma receita de melhor se aplicar o BLW. Quando a família escolhe deixar o bebê guiar a introdução alimentar, junto com o nutricionista a família escolhe, entre os alimentos que produziu ou serviu para o restante da família, alguns alimentos que o bebê poderia consumir sozinho. Portanto, qualquer orientação de alimentação pode se encaixar no método BLW. Por exemplo, no Brasil, em geral, iniciamos a introdução alimentar com frutas. No método BLW também pode ser assim ou não. Depende da escolha do nutricionista que acompanha o bebê. O bebê pode fazer uma introdução alimentar vegetariana, antroposófica, comum, como o profissional achar mais pertinente. O que o BLW não é, é fazer uma comida especialmente para o bebê – mesmo se os alimentos estiverem em formatos palitos.

O que determina o método BLW, então?

Portanto, o que determina o método não é o corte dos alimentos, ou a ordem da introdução. É verificar como posso introduzir o bebê na vida alimentar da família, como posso fazer isso da melhor forma possível, sem preparar uma comida específica (seja papa, purê, palito e etc.) e sim introduzir a alimentação do bebê dentro do que já é uma rotina familiar alimentar.

Um exemplo: uma família com um filho mais velho toma café da manhã todos os dias. O bebê mostra interesse pelo alimento. Quando iniciar a introdução alimentar, verificaremos se no café da manhã, a família come frutas. Se sim, a criança passa a dividir essa refeição, recebendo uma fruta, em um pedaço grande o suficiente para o bebê agarrar.

Se estiver estabelecido, mostrando interesse nas frutas, poderão passar para o almoço, com o mesmo intuito – verificar se no almoço da família é servido o alimento que quero introduzir, servir também à criança. Amamentar antes, se necessário durante, e depois.

Pode-se também iniciar pelo almoço, e não pelo café da manhã. Quem vai adequar o cardápio é o nutricionista, avaliando a rotina da casa, fazendo uma boa anamnese, e daí, fazer seu plano individualizado, de acordo com os preceitos de uma alimentação saudável.

Quando introduzir os talheres?

No início, já podemos deixar uma colher disponível. Depois de avaliar os movimentos das mãos do bebê, quando este já estiver fazendo a pinça com os dedos, poderemos introduzir o garfo. Já utilizando bem o garfo, podemos treinando mais efetivamente a colher. O ideal é observar cada bebê, e permitir, deixando talheres disponíveis desde sempre.

Na sequência abordaremos um pouco sobre o as dificuldades do método na prática e os engasgos. Quer saber mais sobre alimentação e saúde infantil? Acompanhe nosso blog, facebook ou participe conosco do próximo Grupo de Estudos Multiplicar exclusivos para Profissionais da Saúde.

Referências:

Skuse, D. Feeding and sleeping disorders. In M. Rutter, E. Taylor, & L. Hersov (Orgs.), Child and adolescent psychiatry: modern approaches (3a ed.; pp. 467-489), Oxford: Blackwell, 1994.

Ramalho,V.L.M. et al. Uma intervenção cognitivo-comportamental com uma criança com dificuldades alimentares: Pedro descobriu que gostava de comer .Estudos de Psicologia, 13(3), 195-201 , 2008.

Drent, L.V; PINTO, E. A.L.C. Problemas de alimentação em crianças com doença do refluxo gastroesofágico. Pró-Fono R. Atual. Cient., Barueri, v. 19, n. 1, Apr. 2007

Wright CM, Parkinson KN, Shipton D, Drewett RF. How do toddler eating problems relate to their eating behavior, food preferences, and growth? Pediatrics. [Research Support, Non-U.S. Gov’t]. 2007 .

Almeida C.A.N. et al. Dificuldades alimentares na infância: revisão da literatura com foco nas repercurssões à saúde. ED de Mello, Pediatr. mod,p 340-348, 2012  .

Cameron SLHeath AM ,  Taylo RW .How Feasible Is Baby-Led Weaning as an Approach to Infant Feeding? A Review of the Evidence. Nutrients 2012

TOWNSEND & PITCHFORD. Baby knows best? The impact of weaning style on food preferences and bmi in early childhood in a case-controlled sample . BMJ Open. 2012

Brown A1, Lee M. An exploration of experiences of mothers following a baby-led weaning style: developmental readiness for complementary foods. Matern Child Nutr. 2013 Apr;9(2):233-43. doi: 10.1111/j.1740-8709.2011.00360.x. Epub 2011 Nov 28.

Brown A1, Lee MD. Early influences on child satiety-responsiveness: the role of weaning style.  Pediatr Obes. 2015 Feb;10(1):57-66. doi: 10.1111/j.2047-6310.2013.00207.x. Epub 2013 Dec 17.

 BROWN, Differences in eating behaviour, well-being and personality between mothers following bay-led vs. Traditional weaning styles. Maternal & child nutrition, 2015 .